Beta-cariofileno, o terpeno detectado por cães

O beta-cariofileno é um terpeno natural presente em muitos óleos essenciais e extratos de plantas. Para além da cannabis, pode ser encontrado no cravo, no tomilho ou no lúpulo.

Este terpeno é responsável, por exemplo, pelo sabor da pimenta negra e por muitas das suas propriedades terapêuticas. No entanto, o uso para fins medicinais do beta-cariofileno ou de outros terpenos é uma possibilidade que só agora começa a ver a luz do dia. Esta situação deve-se ao facto de a crescente investigação científica sobre o beta-cariofileno não parar de oferecer conclusões cada vez mais promissoras em termos dos benefícios do seu uso a longo prazo.

Molécula de Beta-Cariofileno
Molécula de Beta-Cariofileno

O que é um terpeno?

Os terpenos e terpenoides (moléculas orgânicas oxidadas derivadas dos terpenos), além de serem os principais constituintes dos óleos essenciais, formam uma grande parte dos compostos químicos aromáticos encontrados nas plantas.

Podem ser encontrados um pouco por toda a natureza, sendo o gengibre, a canela, o eucalipto ou a lavanda algumas das plantas e especiarias com maior concentração de terpenos. As suas propriedades calmantes e relaxantes são bem conhecidas, daí o seu uso muito comum em áreas como a aromaterapia.

No óleo de cannabis podem ser encontrados cerca de 200 tipos de terpenos em concentrações muito diversas, que podem, por vezes, atingir 1% do peso total de uma flor de cannabis seca. Apesar de muitos destes terpenos e terpenoides serem pouco percetíveis devido ao facto de estarem presentes em baixas concentrações, existe um grande número destes compostos que merece ser estudado pelas suas potenciais aplicações terapêuticas.

Terpenos
Roda de terpenos

A cannabis é vulgarmente classificada como Indica, Sativa ou híbrida, classificação esta que é, geralmente, associada a um certo tipo de efeito. Assim, a Sativa está associada a efeitos eufóricos e revitalizantes, enquanto as Índicas são frequentemente associadas a efeitos calmantes e sedativos, muitas vezes ideais para atenuar a dor.

Deixando de lado estas definições vagas, uma coisa é clara: o perfil de terpenos de cada variedade tem um grande impacto no efeito final proporcionado ao consumidor, assim como a eficácia terapêutica que essa variedade terá. Por exemplo, numa análise laboratorial da nossa Lemon OG Candy, descobrimos que esta variedade possui um conteúdo invulgar e diversificado de terpenos, incluindo o beta-cariofileno.

Além de os terpenos serem os principais responsáveis por muitos aromas e sabores, os estudos têm vindo a demonstrar que estes compostos têm um grande impacto no efeito proporcionado aos consumidores de cannabis. Este facto deve-se ao bem conhecido efeito entourage. Dadas as semelhanças estruturais entre os terpenos e os fitocanabinoides, existe um efeito sinérgico quando estas moléculas são utilizadas em conjunto, aumentando consideravelmente os seus efeitos e, consequentemente, o seu potencial terapêutico.

O que é um sesquiterpeno?

Os sesquiterpenos são moléculas químicas orgânicas bastante parecidas com os restantes terpenos, embora muito mais complexas em termos estruturais. Enquanto os monoterpenos como o limoneno ou o linalol (encontrados em citrinos ou lavanda, respetivamente) têm uma unidade de isopreno, os sesquiterpenos têm três.

Assim, para além de serem encontrados em menor quantidade e frequência que os monoterpenos, os sesquiterpenos são mais complexos tanto na sua estrutura química como no seu aroma. Na realidade, os principais sesquiterpenos encontrados na cannabis em quantidades significativas são basicamente dois: o beta-cariofileno e o humuleno.

Pensa-se que há uma dupla justificação para o facto de as plantas produzirem este tipo de compostos aromáticos. Por um lado, para atrair os insetos polinizadores que ajudam à reprodução da planta. Por outro, são bem conhecidas as propriedades inseticidas destes compostos enquanto repelentes de pragas que atacam a planta, pelo que também representam um excelente sistema de defesa.

Drogas, cães e beta-cariofileno

Como já sabemos, o beta-cariofileno é um sesquiterpeno bastante comum em muitas variedades de cannabis e contribui para o aroma, sabor e efeito da planta. Como tal, tornou-se uma molécula muito popular, não apenas entre os consumidores de cannabis mas também noutras áreas.

Um cão detetor a trabalhar
Um cão detetor a trabalhar

Devido ao facto de praticamente toda as genéticas de cannabis conterem beta-cariofileno, esta é a molécula de eleição para treinar os cães detetores de drogas. Assim, quando um cão "marca" alguém ou algo, ele não está "a cheirar a erva", mas a detetar o aroma deste terpeno. Na verdade, os cães são treinados para detetar o óxido de cariofileno, um subproduto do processo de secagem da cannabis.

Potencial medicinal do beta-cariofileno

Apesar de ser raro nos terpenos, o beta-cariofileno liga-se naturalmente aos recetores canabinoides CB2 do cérebro, os mesmos recetores aos quais também se liga o THC. É por isto que muitas vezes se afirma que o beta-cariofileno é um terpeno incomum e, depois de ter sido um dos primeiros a demonstrar (2008) que se liga aos recetores canabinoides do nosso organismo, parece ser, tanto física como mentalmente, uma molécula com um potencial terapêutico especialmente valioso.

Este potencial terapêutico tem sido observado em muitos ensaios clínicos. Por exemplo, um estudo mostrou a eficácia desta molécula tanto no tratamento da depressão como da ansiedade, até mesmo quando os sujeitos estudados foram submetidos a condições extremas de stress. Estes dados apontam para a possibilidade - juntamente com outros agonistas do recetor CB2 - de poderem ser efetivamente usados para mitigar estes dois sintomas.

Em estudos sobre os cancros da próstata e da mama, foi comprovado que o beta-cariofileno tem um potente efeito nas vias de sinalização destas células cancerígenas, inibindo o crescimento de tumores e promovendo a morte de células cancerígenas (apoptose). A importância destas descobertas pode ser fundamental no campo da prevenção e luta contra o cancro em todo o mundo e demonstra, mais uma vez, que o uso medicinal da cannabis e a suas propriedades terapêuticas são cada vez mais uma realidade nos nossos dias.

Células normais e células cancerígenas
Células normais e células cancerígenas

O beta-cariofileno também tem demonstrado ser um potencial agente contra a malária, tanto devido à sua ação repelente contra os mosquitos transmissores da malária como devido às suas propriedades inseticidas.

Outro campo onde foi demonstrado que pode constituir uma grande ajuda é no tratamento da esclerose múltipla, reduzindo a inflamação no sistema nervoso. Resultados preliminares mostram que esta molécula não só é útil para tratar os efeitos da doença como também os próprios efeitos patológicos. O beta-cariofileno aparenta ter um efeito considerável sobre o sistema imunitário, atuando como um modulador e impedindo a resposta autoimune que resulta de um ataque ao sistema nervoso.

Finalmente, o beta-cariofileno tem vindo a ser utilizado com sucesso no tratamento do alcoolismo, pelo que, num futuro próximo, poderá ser uma alternativa válida no tratamento deste tipo de dependências.

Tudo isto serve apenas para enfatizar o facto de que esta é uma molécula notável que merece mais investigação e estudos, tanto em laboratório como através de ensaios clínicos. A panóplia de possíveis aplicações desta molécula, a gravidade das doenças para as quais pode ser útil e seus efeitos colaterais praticamente nulos sem dúvida assim o sugerem.

Infelizmente, neste momento estamos apenas a arranhar a superfície dos possíveis benefícios que este e outros terpenos podem proporcionar, embora com a crescente aceitação do uso de cannabis medicinal e as pesquisas necessárias, em breve saberemos muito mais sobre esta tão interessante molécula.

Que variedades de cannabis contêm beta-cariofileno?

Como já dissemos, o beta-cariofileno é um dos terpenos mais comuns nas inúmeras genéticas que encontramos hoje no mercado, embora na maioria dos casos esteja presente em quantidades muito pequenas ou dificilmente percetíveis. Algumas das variedades com o maior conteúdo deste terpeno são a Sour Diesel, a Chemdawg, a OG Kush ou a Bubba Kush, bem como a nossa White Yoda Auto.

Flor de White Yoda Auto
Flor de White Yoda Auto

Esperamos ter esclarecido alguns aspetos importantes sobre este terpeno presente na cannabis, visto que, como pudemos verificar, pode ser uma ajuda essencial para milhares de pacientes em todo o mundo. Não hesite em deixar os seus comentários aqui, teremos o maior prazer em responder.

Saudações!

Comentários a “Beta-cariofileno, o terpeno detectado por cães” (0)

ATENÇÃO - Dúvidas sobre envios e pagamentos

Se tiver dúvidas sobre os métodos de pagamento e envio, consulte a secção formas de pagamento e portes de envio. Obrigado!

Quer dar a sua opinião sobre "Beta-cariofileno, o terpeno detectado por cães" ou fazer uma questão sobre este post?

Vamos publicar!

Pode verificar se o e-mail está correcto?

Acerca deste blog canábico

Este é o blog do banco de sementes Philosopher Seeds . Destina-se a ser utilizado por adultos maiores de 18 anos.

Aqui encontrará informações sobre cultivo doméstico de canábis, dicas, truques e notícias do sector da canábis.

Para comprar sementes da Philosopher Seeds e dos melhores bancos de sementes europeus. você pode dar uma vista de olhos no nosso catálogo


error_outline Utilização de cookies

Usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar a experiência de navegação e oferecer conteúdo de interesse. Ao continuar a navegar, assumimos que aceita a política de cookies da Philosopher Seeds

keyboard_arrow_up